Cannabis pode aliviar a dor neuropática causada pela quimioterapia, revela estudo

blog-image

Pacientes de quimioterapia com dor neuropática podem encontrar alívio com a cannabis, de acordo com um novo estudo.

O trabalho, que foi publicado na edição do mês passado da revista Therapeutic Advances in Medical Oncology, foi realizado por uma equipe de pesquisadores de Tel Aviv que examinou uma coorte de 513 pacientes que tomavam oxaliplatina para problemas gastrointestinais. A oxaliplatina, disseram os pesquisadores, “é uma quimioterapia à base de platina amplamente usada para o tratamento de doenças malignas gastrointestinais (GI)”. De acordo com a Mayo Clinic, é usado junto com outros medicamentos (por exemplo, fluorouracil e leucovorina) para tratar o câncer avançado do cólon ou reto. 

O método e os resultados do estudo

Para o estudo, os pesquisadores trataram 248 dos pacientes da coorte com cannabis, com os 265 restantes servindo como grupo de controle. A coorte era composta por 250 mulheres e 263 homens, de acordo com os pesquisadores, e todos foram diagnosticados com doenças gastrointestinais. 

“A taxa de neuropatia foi reduzida entre os pacientes tratados com cannabis e oxaliplatina”, escreveram os pesquisadores em sua conclusão. “Essa redução foi mais significativa em pacientes que receberam cannabis antes do tratamento com oxaliplatina, sugerindo um efeito protetor.”

“A neurotoxicidade induzida pela oxaliplatina é um efeito adverso profundo que, de acordo com os resultados de nossa investigação, pode ser mitigado e prevenido pelo tratamento com cannabis”, acrescentaram.

“Foi possível acompanhar as datas, dosagens e indicações do tratamento com cannabis revisando a documentação de aprovação de cannabis dos pacientes”, disseram eles. “Além disso, os dados foram recuperados de um grande banco de dados de centro de atendimento terciário de alta qualidade que inclui registros médicos de pacientes com várias doenças gastrointestinais e vários médicos que os trataram por um período de mais de 2 anos.”

A limitação do estudo

Os pesquisadores ainda afirmam que a principal limitação deste estudo é que a comparação do uso de cannabis não foi quantitativa, mas qualitativa. “Não foi possível comparar a quantidade de cannabis licenciada ou os tipos e indicações para seu uso, uma vez que esses parâmetros não foram especificados. Além disso, a avaliação da neuropatia foi retrospectiva e baseou-se nos registros médicos das queixas dos pacientes e exames físicos.”

A eficácia do tratamento com cannabis em pacientes com câncer é conhecida há muito tempo, mas sua onipresença aumentou consideravelmente com a adoção de novas leis sobre a maconha nos Estados Unidos e em outros lugares. Um estudo no final do ano passado descobriu que um terço dos pacientes com câncer no Canadá, onde a cannabis medicinal é legal desde 2001 e o uso adulto foi legalizado em 2018, usam cannabis. 



Fonte: sechat.com.br/