Toxina botulínica pode reduzir as crises de enxaqueca em tratamento seguro e bem tolerado

blog-image

Com sintoma de dor de cabeça intensa, a enxaqueca crônica já foi apontada como uma das quatro doenças crônicas mais incapacitantes, segundo a Organização Mundial da Saúde. As crises podem aparecer mais de 15 dias por mês, se caracterizam por dor pulsátil em um dos lados da cabeça, que podem durar até 72 horas.

Mas segundo estudo publicado em janeiro de 2019 na Plastic and Reconstructive Surgery, a revista médica oficial da Sociedade Americana de Cirurgiões Plásticos (ASPS), um corpo crescente de evidências apoia a eficácia das injeções de toxina botulínica na redução da frequência das crises de enxaquecas crônicas. “A toxina botulínica é usada para prevenir a ocorrência das crises, melhorando a qualidade de vida dos pacientes afetados com tal condição clínica”, afirma o cirurgião plástico Dr. Paolo Rubez, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e especialista em Cirurgia de Enxaqueca pela Case Western University.

O tratamento com a toxina botulínica foi autorizado pela ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) desde 2011 e já foi alvo de diferentes pesquisas científicas no Brasil e exterior comprovando a eficácia do método. Na meta-análise americana, os autores identificaram e analisaram dados de 17 estudos randomizados anteriores comparando toxina botulínica com placebo para tratamento preventivo de enxaquecas.

Os 17 estudos incluíram quase 3.650 pacientes, cerca de 1.550 dos quais tinham enxaqueca crônica: definidos como pelo menos 15 dias de dor de cabeça por mês por mais de três meses, com sintomas de enxaqueca em pelo menos oito dias por mês. Os demais pacientes apresentaram cefaléia episódica, menos frequente. Na análise de dados combinados, as injeções de toxina botulínica reduziram significativamente a frequência de ataques crônicos de enxaqueca.

Três meses após a injeção, os pacientes tratados com toxina botulínica tiveram uma média de 1,6 menos ataques de enxaqueca por mês, em comparação com aqueles tratados com placebo. “Na técnica, é utilizada a toxina botulínica em aplicações que são realizadas em diferentes áreas da cabeça e da região cervical. Ela age como um bloqueador neuromuscular, impedindo a contração muscular e, por consequência, a compressão dos nervos sensitivos periféricos”, afirma o médico. “Uma vez que uma das causas da enxaqueca é a compressão dos ramos dos nervos trigêmeo ou occipital, a toxina botulínica impede que isto aconteça”, acrescenta.


Com relação às aplicações, elas devem ser realizadas a cada três ou quatro meses, já que a substância é absorvida pelo organismo, então o efeito não é permanente. “Mas os primeiros resultados, com melhora das crises, aparecem em torno de 15 dias após a aplicação”, diz o médico. O tratamento pode ser feito em pacientes com diagnóstico de enxaqueca crônica. Por outro lado, as aplicações não podem ser feitas em alérgicos aos componentes da fórmula da toxina botulínica, pessoas com doenças neuromusculares e gestantes. “É fundamental que as aplicações sejam realizadas por um cirurgião plástico especializado ou um neurologista que conheça a técnica. Além disso, o paciente deve verificar a procedência da substância e do profissional antes de submeter-se à técnica”, diz o médico.



Fonte: Paraná